isolando-legal

A energia mais sustentável é a que não é utilizada.

Está cada vez mais claro que não se pode continuar desperdiçando energia e liberando CO2 na atmosfera. A última conferência COP21 evidenciou este fato e mostrou quais são as metas de redução para que se evite por em risco o futuro da humanidade. Nunca esteve tão visível a necessidade de um equilíbrio adequado entre o crescimento econômico, social e ambiental.

O transporte e o aquecimento ou resfriamento de ambientes são responsáveis por uma grande parte das emissões. Ainda sobre a questão do condicionamento térmico: por que esquentar ou esfriar, quando é possível isolar e minimizar estes gastos e emissões? Entre 30 e 50% (dependendo da fonte e da região) das emissões globais de CO2 poderiam ser reduzidas com a aplicação de um isolamento eficiente.

Neste sentido, não há melhor isolante térmico que o poliuretano rígido. Praticamente todas as geladeiras e refrigeradores, domésticos ou comerciais, são isolados com poliuretano rígido. Observe  a geladeira em sua casa: entre o plástico interno e o metal externo não há um único parafuso, o que minimiza os pontos de corrosão e de transferência térmica. O poliuretano que adere o plástico e o metal cumpre, simultaneamente, os papéis de isolante (do melhor tipo existente), aglutinante e estruturante, possibilitando a mínima espessura possível. Isso permite que sua geladeira tenha o maior espaço interno (para acondicionar maior quantidade de alimentos) e o melhor espaço externo (otimizando a utilização dos espaços em sua cozinha).

A questão então é: por que esta penetração de praticamente 100% que ocorre na indústria de refrigeradores não se repete no isolamento térmico de construções, tanto comerciais e industriais quanto civis? A resposta é simples: é uma questão de tempo. Com a situação ambiental descrita acima, é apenas uma questão de tempo para que se desperte a consciência de aplicar o isolamento nas edificações de forma massiva e com a qualidade mais eficiente, ou seja, utilizando o melhor isolante possível.

Compartilhar:
Tweet about this on TwitterShare on FacebookGoogle+

fevereiro 14, 2016